Notícias

(20/08/2014) A moda dos celulares nas academias…

Por: Mauricio Raddi

Reprodução internet

É fácil observar que nesta década houve um aumento exponencial do número de dispositivos móveis (celulares, tablets, etc) fora a facilidade do acesso à internet por meio destes. Difícil hoje quem não possua um celular.

Pelas ruas, lojas, locais de trabalho, etc, todos praticamente podem ser vistos usando um celular ou tablet. Em qualquer lugar, principalmente quando se está esperando por algo, você pode se distrair manipulando um celular (jogando, ouvindo música, etc). Celular e distração e foi esta associação que me inspirou no desenvolvimento das orientações que se seguem.

A febre dos celulares invadiu as academias de musculação. Hoje quase todos os alunos treinam com algum dispositivo móvel em mãos, em sua maioria um celular. Essa febre provavelmente é alimentada pelas próprias academias que disponibilizam o sinal para acesso à internet. Somado a isto vem aquela vaidade das pessoas de expor o seu celular de último modelo. O cenário atual então é este: pessoas circulando por entre aparelhos de musculação se distraindo com seus celulares.

Entenda a INTENSIDADE DE ESFORÇO E OBJETIVO ESTÉTICO – Uma intensidade de esforço alta (pessoas sem doença ou limitações o grau de esforço é o ‘máximo’ ou o ‘submáximo intenso’ segundo a escala de Borg esta entre 19 e 20) esse número na escala é o ponto necessária para se obter resultados estéticos (hipertrofia ou qualidade muscular, por exemplo).

Trazendo essa informação para a prática é praticamente impossível alguém, por mais avançado que seja, produzir uma alta intensidade de esforço e se distrair com qualquer outra coisa que seja. Inclusive um celular. Treinar e manipular um celular é sinônimo de treino de moderada a baixa intensidade, mesmo que os pesos sejam considerados grandes.

A moda dos celulares parece ser mais forte do que a conscientização acerca da intensidade de treino adequada. Por isso decidi formular orientações para os praticantes que insistem em treinar ao mesmo tempo em que manipulam seus celulares. Os mesmos poderão ter consciência da intensidade que estarão produzindo e possíveis resultados.

As orientações são baseadas na pura observação em anos de atuação em academias de musculação. Observei a relação entre pessoas que treinam manipulando ou não um celular e a satisfação com o resultado. Baseado então em tais observações elaborei a seguinte escala de percepção da intensidade para a musculação:

 

Escala Raddi de percepção do esforço para a musculação

Veja onde você se encaixa:

Nível 1: TREINO INTENSO: Não consigo manipular meu celular durante todo o treino. Treino este que provoca a quebra da homeostase e consequente novas adaptações orgânicas. Objetivos: estéticos (hipertrofia/qualidade muscular) e performance. Público alvo: Adultos saudáveis.

Nível 2: TREINO MODERADO: Consigo manipular meu celular na primeira metade do treino, aproximadamente. Do meio para o final da sessão o cansaço já não me permite manipular direito meu celular ou de forma que me satisfaça. Objetivos: treino regenerativo. Treino sem exigências suficientes para quebrar a homeostase e provocar novas adaptações. Manutenção das aptidões físicas. Público alvo: Adultos saudáveis.

Nível 3: TREINO LEVE: Consigo manipular meu celular perfeitamente durante todo treino. O treino é incapaz de produzir a quebra da homeostase. A intensidade está muito abaixo que do é necessário para produzir qualquer tipo de novas adaptações em adultos saudáveis. Objetivos: treino regenerativo, certa manutenção das aptidões físicas. Público alvo: Iniciantes/Grupos Especiais.

Antes de começar qualquer treino eu executo 1 minuto de silêncio.

É onde eu esqueço tudo que aconteceu até agora é onde eu esqueço tudo o que terei que fazer que não seja a sessão de treino.
Sempre com olhos focados, infectados. Ai chegou a hora!

Comentários

Copyright @ Correndo a Mil - 2013

Todos os direitos reservados

Webcomtexto
feedaback